Geral

Quais as maiores dificuldades das agências de publicidade brasileiras?

Quais as maiores dificuldades das agências de publicidade brasileiras?

Fui convidado pelo iClips para o projeto iZoom 2018, levantamento feito junto às agências publicitárias sobre administração e gestão financeira das mesmas. A seguir, você lê o texto de Viviane Rodrigues, graduada em Jornalismo e cursando Marketing, auxilia no marketing do iClips e acredita que o marketing digital tem grande importância na condução de qualquer negócio.

Já parou para pensar nas dificuldades que as agências de publicidade encontram pelo caminho? Movido pela vontade de entender um pouco mais sobre essa e outras particularidades do mercado publicitário, o iClips — empresa focada no desenvolvimento de soluções orientadas para a melhoria de resultados de agências, criou o iZoom 2018.

O levantamento foi realizado com mais de 130 agências de todo o Brasil e buscou entender mais sobre como está a gestão no mercado publicitário.

Nesse post, falaremos justamente sobre os principais obstáculos enfrentados pelas agências brasileiras, conforme dados levantados no iZoom.

Em que pontos as agências encontram maiores dificuldades?

Como você verá adiante, as dificuldades das agências de comunicação estão muito mais voltadas para a gestão do que para a criação, propriamente dita. A partir do que foi coletado, fica fácil entender porque muitas agências não têm o retorno esperado, ou encontram dificuldades em fidelizar os seus clientes. Isso porque o sucesso de uma empresa é, em partes, consequência de uma administração eficiente. Continue lendo e descubra, de uma vez por todas, quais são esses contratempos.

Conquistar novos clientes (44,7%)

Devido à constante busca pela lucratividade, conquistar novos clientes tem sido um dos principais anseios de boa parte das agências de propaganda. Em contrapartida, essa tem sido também a maior dificuldade enfrentada por essas empresas: a pesquisa mostra que 44,7% das agências passam por essa situação.

Mas lembre-se, antes dessa busca desenfreada por um maior número de clientes é preciso olhar para própria agência, e efetuar um controle de gastos e despesas apurado. A partir do momento em que essa prática se torna constante, ter muitos clientes passa a não ser prioridade, uma vez que a lucratividade será parte de uma gestão financeira adequada.

Rentabilizar a agência (40,9%)

A pesquisa revela que rentabilizar não é uma tarefa fácil para 40,9% das agências. Esse resultado reflete uma falha na má gestão interna, tanto de processos quanto de pessoas. Nesse contexto, é preciso arrumar a casa e fazer com que os atuais clientes sejam a principal fonte de lucro.

O que acontece, é que muitas agências mal sabem quais são os custos envolvidos em cada trabalho. Sem esse controle, garantir que as receitas sejam maiores do que os custos de cada trabalho é praticamente impossível.

Conforme Caio Costa, blogueiro do Blogcitário e publicitário por formação, essa dificuldade também pode estar relacionada à ausência de uma formação administrativa para a gestão do negócio. Mas não para por aí, ainda conforme o publicitário “os donos e Atendimentos vão atrás de clientes, mas enquanto vão conquistando, não possuem organização para atender a demanda crescente, não há planejamento adequado para contratações e outros fatores que modifiquem a estrutura da agência“, completa.

Organizar as demandas de forma eficaz (32,6%)

O iZoom também constatou que 32,6% das agências têm dificuldade em organizar as demandas. Entre outros motivos, situações como essa acontecem por conta de uma falta de integração de todos os setores.

Pelo menos é o que mostra a pesquisa: 50% das pessoas que não utilizam uma única ferramenta que integra todos os setores, dentro de tantas dificuldades, entendem que uma das maiores é organizar todo esse processo.

Um fluxo de trabalho desorganizado também contribui para esse resultado. Isso porque, 56,8% dos respondentes afirmam que o próprio CEO delega as tarefas que serão realizadas pela equipe.

Nesse contexto, quase 40% das agências que afirmaram ter dificuldades na organização das demandas possuem esse fluxo de trabalho no qual o proprietário é o próprio atendimento e tráfego da agência.

Esse gargalo na gestão de tarefas resulta em uma lentidão em toda a engrenagem de produção, pois com tantas outras tarefas para dar conta, o gestor acaba ficando sobrecarregado, deixando até de se concentrar em questões mais relevantes em um determinado momento.

Gerir e desenvolver pessoas (31,8%)

Se antes a gestão de pessoas era uma prática que limitava-se a contratar ou demitir funcionários, hoje o cenário é bem diferente. Quando se trata de capital humano, empresas dos mais diversos nichos estão mais participativas, investindo em capacitação e desenvolvimento de seus colaboradores.

Mas para algumas agências de publicidade, colocar essas ações em práticas não é tão simples quanto parece. De acordo com a pesquisa, 31,8% das agências enfrentam dificuldades em gerir e desenvolver pessoas.

Nesse sentido, pouco adianta investir em tecnologia ou organizar as demandas corretamente, se os colaboradores não estiverem preparados para exercer suas atividades com produtividade e qualidade.

Como motivar e coordenar minha equipe?

Para facilitar esse processo, alguns passos podem ser adotados, são eles:

  • Conduza o colaborador a exercer atividades as quais ele possa aplicar suas habilidades, experiências e conhecimentos;
  • Expresse com clareza o que deve ser feito;
  • Aplique treinamentos e cursos de capacitação constantemente;
  • Faça feedbacks constantes;
  • Deixe claro a importância da tarefa, em escala de relevância ou prioridade.

Gerir processos internos (29,5%)

Por fim, o levantamento aponta que 29,5% das agências encontram dificuldades em gerenciar processos internos. Mas, você sabe o que são processos internos? Em linhas gerais, são todas as atividades executadas em uma empresa, com o objetivo de gerar um serviço ou produto final. Com base nos objetivos e o mercado em que uma instituição atua, cada segmento é composto de uma série de processos.

A questão é que, em algumas agências o proprietário está plenamente satisfeito com os resultados alcançados, ou se preocupa demais com questões externas, por exemplo, e acaba deixando de olhar para a própria agência.

Situações como essa afetam a produtividade da equipe, pois quando um funcionário não entende como proceder de forma padronizada em situações rotineiras, acaba pensando em soluções diferentes para os mesmos problemas.

Portanto, é fundamental que o gestor desenhe padrões de procedimentos das atividades desempenhadas por seus colaboradores. Estabelecer um modelo de Briefing, por exemplo, é fundamental para que a equipe responsável conduza uma tarefa de forma eficiente, sem deixar passar alguma informação relevante.

Agora que você já compreendeu um pouco mais sobre os gargalos nas agências de publicidade, que tal entender mais sobre a profissionalização da gestão de agências de todo o Brasil? Clique aqui e faça o download do iZoom 2018 gratuitamente para ter esses dados em mãos.

Deixe seu recado

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *